segunda-feira, 18 de junho de 2018

MIA COUTO

TEXTO DE MIA COUTO

“E a juventude vai escoando entre os dedos”…

Era uma vez uma geração que se achava muito livre.

Tinha pena dos avós, que casaram cedo e nunca viajaram para a Europa.

Tinha pena dos pais, que tiveram que camelar em empreguinhos ingratos
e suar muitas camisas para pagar o aluguer, a escola e as viagens em
família para pousadas no interior.

Tinha pena de todos os que não falavam inglês fluentemente.

Era uma vez uma geração que crescia quase bilíngue. Depois vinham
noções de francês, italiano, espanhol, alemão, mandarim.

Frequentou as melhores escolas.

Entrou nas melhores faculdades.

Passou no processo selectivo dos melhores estágios.

Foram efectivados. Ficaram orgulhosos, com razão.

E veio pós, especialização, mestrado, MBA. Os diplomas foram subindo
pelas paredes.

Era uma vez uma geração que aos 20 ganhava o que não precisava. Aos 25
ganhava o que os pais ganharam aos 45. Aos 30 ganhava o que os pais
ganharam durante a vida toda. Aos 35 ganhava o que os pais nunca
sonharam ganhar.

Ninguém os podia deter. A experiência crescia diariamente, a carreira
era meteórica, a conta bancária estava cada dia mais bonita.

O problema era que o auge estava cada vez mais longe. A meta estava
cada vez mais distante. Algo como o burro que persegue a cenoura ou o
cão que corre atrás do próprio rabo.

O problema era uma nebulosa na qual já não se podia distinguir o que
era meta, o que era sonho, o que era gana, o que era ambição, o que
era ganância, o que era necessário e o que era vício.

O dinheiro que estava na conta dava para muitas viagens. Dava para
visitar aquele amigo querido que estava em Barcelona. Dava para
realizar o sonho de conhecer a Tailândia. Dava para voar bem alto.
Mas, sabe como é? Prioridades. Acabavam sempre ficando, ao invés de sempre ir.
Essa geração tentava convencer-se de que podia comprar saúde em
caixinhas. Chegava a acreditar que uma hora de corrida podia mesmo
compensar todo o dano que fazia diariamente ao próprio corpo.
Aos 20: ibuprofeno. Aos 25: omeprazol. Aos 30: rivotril. Aos 35: stent.
Uma estranha geração que tomava café para ficar acordada e comprimidos
para dormir.
Oscilavam entre o sim e o não. Você dá conta? Sim. Cumpre o prazo?
Sim. Chega mais cedo? Sim. Sai mais tarde? Sim. Quer destacar-se na
equipa? Sim.

Mas para a vida, costumava ser não:

Aos 20 eles não conseguiram estudar para as provas da faculdade porque
o estágio demandava muito.

Aos 25 eles não foram morar fora porque havia uma perspectiva muito
boa de promoção na empresa.

Aos 30 eles não foram ao aniversário de um velho amigo porque ficaram
até às 2 da manhã no escritório.
Aos 35 eles não viram o filho andar pela primeira vez. Quando
chegavam, ele já tinha dormido, quando saíam ele não tinha acordado.
Às vezes, choravam no carro e, descuidadamente começavam a
perguntar-se se a vida dos pais e dos avós tinha sido mesmo tão ruim
como parecia.

Por um instante, chegavam a pensar que talvez uma casinha pequena, um
carro popular dividido entre o casal e férias num hotel fazenda
pudessem fazer algum sentido.

Mas não dava mais tempo. Já eram escravos do câmbio automático, do
vinho francês, dos resorts, das imagens, das expectativas da empresa,
dos olhares curiosos dos “amigos”.
Era uma vez uma geração que se achava muito livre. Afinal tinha
conhecimento, tinha poder, tinha os melhores cargos, tinha dinheiro.
Só não tinha controlo do próprio tempo.

Só não via que os dias estavam passando.
Só não percebia que a juventude se estava escoando entre os dedos e
que os bónus do final do ano não comprariam os anos de volta.”

(Texto de Mia Couto)

segunda-feira, 11 de junho de 2018

TANTO OBSERVATÓRIOS, PARA QUÊ

NÓS SOMOS MEROS OBSERVADORES, EFECTIVOS PAGADORES, trabalhamos… trabalhamos… trabalhamos para sustentar ...

1) Observatório do medicamentos e dos produtos da saúde
2) Observatório nacional de saúde
3) Observatório português dos sistemas de saúde
4) Observatório da doença e morbilidade
5) Observatório vida
6) Observatório do ordenamento do território
7) Observatório do comércio
8) Observatório da imigração
9) Observatório para os assuntos da família
10) Observatório permanente da juventude
11) Observatório nacional da droga e toxicodependência
12) Observatório europeu da droga e toxicodependência
ESTE É UMA AGENCIA EUROPEIA DESCENTRALIZADA, NÃO ESTÁ NO ERÁRIO PUBLICO PORTUGUES
13) Observatório geopolítico das drogas
14) Observatório do ambiente
15) Observatório das ciências e tecnologias
16) Observatório do turismo
17) Observatório para a igualdade de oportunidades
18) Observatório da imprensa
19) Observatório das ciências e do ensino superior
20) Observatório dos estudantes do ensino superior
21) Observatório da comunicação
22) Observatório das actividades culturais
23) Observatório local da Guarda
24) Observatório de inserção profissional
25) Observatório do emprego e formação profissional
26) Observatório nacional dos recursos humanos
27) Observatório regional de Leiria
28) Observatório sub-regional da Batalha
29) Observatório permanente do ensino secundário
30) Observatório permanente da justiça
31) Observatório estatístico de Oeiras
32) Observatório da criação de empresas
33) Observatório do emprego em Portugal
34) Observatório português para o desemprego
35) Observatório Mcom
36) Observatório têxtil
37) Observatório da neologia do português
38) Observatório de segurança
39) Observatório do desenvolvimento do Alentejo
40) Observatório de cheias
41) Observatório das secas
42) Observatório da sociedade de informação
43) Observatório da inovação e conhecimento
44) Observatório da qualidade dos serviços de informação e conhecimento
45) Observatório das regiões em reestruturação
46) Observatório das artes e tradições
47) Observatório de festas e património
48) Observatório dos apoios educativos
49) Observatório da globalização
50) Observatório do endividamento dos consumidores
51) Observatório do sul Europeu
52) Observatório europeu das relações profissionais
53) Observatório transfronteiriço Espanha-Portugal
54) Observatório europeu do racismo e xenofobia
55) Observatório para as crenças religiosas
56) Observatório dos territórios rurais
57) Observatório dos mercados agrícolas
58) Observatório dos mercados rurais
59) Observatório virtual da astrofísica
60) Observatório nacional dos sistemas multimunicipais e municipais
61) Observatório da segurança rodoviária
62) Observatório das prisões portuguesas
63) Observatório nacional dos diabetes
64) Observatório de políticas de educação e de contextos educativos
65) Observatório ibérico do acompanhamento do problema da degradação dos povoamentos de sobreiro e azinheira
66) Observatório estatístico
67) Observatório dos tarifários e das telecomunicações
68) Observatório da natureza
69) Observatório da qualidade
70) Observatório quantidade 71) Observatório da literatura e da literacia
72) Observatório nacional para o analfabetismo e iliteracia
73) Observatório da inteligência económica
74) Observatório para a integração de pessoas com deficiência
75) Observatório da competitividade e qualidade de vida
76) Observatório nacional das profissões de desporto
77) Observatório das ciências do 1º ciclo
78) Observatório das ciências do 2º ciclo
79) Observatório nacional da dança
80) Observatório da língua portuguesa
81) Observatório de entradas na vida activa
82) Observatório europeu do sul
83) Observatório de biologia e sociedade
84) Observatório sobre o racismo e intolerância
85) Observatório permanente das organizações escolares
86) Observatório médico
87) Observatório solar e heliosférico
88) Observatório do sistema de aviação civil
89) Observatório da cidadania
90) Observatório da segurança nas profissões
91) Observatório da comunicação local
92) Observatório jornalismo electrónico e multimédia
93) Observatório urbano do eixo atlântico
94) Observatório robótico
95) Observatório permanente da segurança do Porto
96) Observatório do fogo
97) Observatório da comunicação (Obercom)
98) Observatório da qualidade do ar
99) Observatório do centro de pensamento de política internacional
100) Observatório ambiental de teledetecção atmosférica e comunicações aeroespaciais
101) Observatório europeu das PME
102) Observatório da restauração
103) Observatório de Timor Leste
104) Observatório de reumatologia
105) Observatório da censura
106) Observatório do design
107) Observatório da economia mundial
108) Observatório do mercado de arroz
109) Observatório da DGV
110) Observatório de neologismos do português europeu
111) Observatório para a educação sexual
112) Observatório para a reabilitação urbana
113) Observatório para a gestão de áreas protegidas
114) Observatório europeu da sismologia
115) Observatório nacional das doenças reumáticas
116) Observatório da caça
117) Observatório da habitação
118) Observatório Alzheimer
119) Observatório magnético de Coimbra