sábado, 27 de julho de 2019

DÁ QUE PENSAR

terça-feira, 23 de julho de 2019

O SOCIALISMO AO SERVIÇO DO POVO


 Lista dos milionários angolanos obrigados a repatriar o que têm no estrangeiro - lista toda manchada de suor destes trabalhadores....


Afinal não passa de um "Mito" de que... -os portugueses exploravam o povo angolano-!!!!
 Era essa a visão da nossa sempre activa e corrupta"click  esquerdista"!!!


JÁ SAIU A LISTA DAQUELES  QUE DEVEM REPATRIAR OS CAPITAIS QUE ESTÃO NO ESTRANGEIRO*
José Eduardo dos Santos: USD 7,9 Biliões
Hélder Manuel Viera Dias Júnior“Kopelipa”: USD 2, 6 biliões
Leopoldino Fragoso do Nascimento «Dino»: USD 1,8 biliões
Manuel Domingos Vicente: USD 3,8 biliões
Isabel dos Santos Dokolo: USD 12,7 biliões
Tenente-Coronel Leonardo Lidinikeni (ex-oficial de escolta presidencial): USD 314,3 milhões
José Lima Massano: USD 1.2 biliões
José Filomeno dos Santos “Zenú”: USD 1,9 biliões
José Leitão da Costa e Silva: USD 842,7 milhões
José Maria (ex-chefe da Inteligência Militar): USD 854,3 milhões
Jean-Claude Bastos de Morais: USD 2,5 biliões
Armando da Cruz Neto: USD 213,7 milhões
Álvaro Sobrinho: USD 1,7 bilhiões
Elísio de Figueiredo(Embaixador): USD 1,8 biliões
António Pitra Neto: USD 578 milhões
Higino Lopes Carneiro: USD 1,2 mil milhões
Carlos Hendrick Silva; USD 243,2 milhões
General Fernando Araújo: USD 283,1 milhões
Empresário António Mosquito e o Bancário Sebastião Lavrador: USD 213,8 milhões
Marcel Kruse: USD 348,2 milhões
Empresário e político Joaquim David: USD 854,9 milhões
Administrador da Sonangol Abílio Sianga: USD 743,7 milhões
Bancário Mário Palhares: USD 843,8 milhões
Aguinaldo Jaime; USD 412,8 milhões
António França “Ndalu” USD 312,9 milhões
Amaro Taty: USD 232,9 milhões
Director da ASCORP Noé Baltazar: USD 743,9 milhões
Desidério Costa: USD 621,9 milhões
Isaac dos Anjos: USD 312,8 milhões
Faustino Muteka: USD 532,1 milhões
Carlos Hendrick: USD 198,8 milhões
António Vandúnem: USD 317,5 milhões
Manuel Augusto da Fonseca(Sonangol): USD 429,2 milhões
Orlando Veloso (ex-PCE da Sonangol Imobiliária): USD 512,7 milhões
José Carlos de Castro Paiva, (ex-Administrador não-executivo da Sonangol): USD 312,1 milhões
José Pedro de Morais: USD 542,7 milhões
General Pedro Neto: USD 286,9 milhões
Dumilde Rangel: USD 213,5 milhões
Santana André Pitra: USD 267,4 milhões
Hendrick Vaal Neto: USD 265,2 milhões
Fernando da Piedade dias Santos Nandó: USD 623,7 milhões
Salomão Xirimbimbi: USD 312,8 milhões
Fátima Jardim (ex-Ministra das Pescas): 121,5 milhões
Álvaro Carneiro (ex-director adjunto da Endiama): USD 276,9 milhões
Ramos da Cruz: USD 163,8 milhões
Gomes Maiato: USD 285,8 milhões
Joanes Andre: 693,7 milhões
João Eduardo dos Santos: USD 412,4 milhões
Marta dos Santos: USD 1,2 bilhiões
Bento Kangamba: USD 203,7 milhões
Gonçalves Muandumba: USD 175,8 milhões
Luiz Paulino dos Santos (ex-governador do Bié): USD 86,3 milhões
Paulo Kassoma: USD 126,3 milhões
Empresário Rui Santos: USD 1,8 bilhiões
Mário António (Adm. da GEFI): USD 83,9 milhões
Silva Neto (ex-administrador da Sonangol Distribuidora): USD 453,8 milhões
Júlio Bessa (ex-Ministro das Finanças): USD 113,7 milhões
Paixão Franco: 163,8 milhões
Kundi Payhama: USD 217,8 milhões
General Furtado: USD 198,4 milhões
Ismael Diogo: USD 59,3 milhões
Augusto Tomás; USD 846,1 milhões
Generoso de Almeida; USD 213,6 milhões
General Cirilo de Sá: USD 147,1 milhões
Paixão Junior: USD 241,7 milhões
General Adolfo Razoilo: USD 162,4 milhões
Bornito de Sousa(actual vice-presidente da república): USD 317,4 milhões
Gilberto Lutukuta: USD 98,8 milhões
José Pedro de Morais: USD 312,8 milhões
Empresário Fernando Borges: USD 134,2 milhões
José Lopes; USD 73,9 milhões
Irmãos Ceita: USD 421,7 milhões
O Socialismo/Comunismo em Angola, na prática sempre, sempre ao lado do Povo !

 





terça-feira, 9 de julho de 2019


Opinião

Maria de Fátima Bonifácio e a cristandade

Afirma que nem africanos nem ciganos “fazem parte de uma entidade civilizacional e cultural milenária que dá pelo nome de Cristandade”. Não só isso é factualmente errado, como a própria história da cristandade é, desde a sua fundação, baseada no universalismo e no desejo de abertura a todos.
É sempre uma chatice quando pessoas de quem gostamos escrevem textos de que não gostamos, e é ainda uma chatice maior quando nos sentimos moral e profissionalmente obrigados a comentá-los em público. Se este meu artigo sair mais coxo do que é habitual, dêem-me o desconto: eu conheço, gosto e admiro intelectualmente Maria de Fátima Bonifácio.
Infelizmente, não gosto nem um bocadinho do artigo “Podemos? Não, não podemos”, não reconheço nele a mulher que admiro, nem percebo como pôde ele ser intelectualmente sustentado com tantas generalizações de cair o queixo — e que, sim (custa-me muito dizer isto), entram mesmo no campo do racismo.



Porque é que não fico calado, então, e escrevo sobre outra coisa qualquer? Porque sinto que não devo, nem quero participar numa jogatana esquerda-direita nesta matéria, como alguns já se preparam para fazer, com a claque pró-Bonifácio a defender que ela disse grandes verdades que ninguém tem a coragem de verbalizar e a claque anti-Bonifácio a garantir que o seu artigo é incitação ao ódio e merece perseguição criminal.

Seria fácil para mim ignorar o texto original e atirar-me às reacções descabeladas que já ouvi por aí (José Eduardo Agualusa, homem habitualmente ponderado, escreveu que Bonifácio e o PÚBLICO deveriam responder “perante a justiça portuguesa”, por amor de Deus), mas sendo uma estratégia fácil também seria cínica, até por causa de uma palavra que foi invocada e me é muito cara: cristandade.
Maria de Fátima Bonifácio afirma no seu artigo que nem africanos nem ciganos “fazem parte de uma entidade civilizacional e cultural milenária que dá pelo nome de Cristandade”. Não só isso é factualmente errado (estima-se que 40% dos africanos sejam cristãos e os ciganos tendem a adoptar a religião dos países onde se instalam), como a própria história da cristandade é, desde a sua fundação, baseada no universalismo e no desejo de abertura a todos, sejam eles brancos, amarelos ou vermelhos, lusitanos, africanos ou ciganos.
A discussão entre Pedro e Paulo sobre se os gentios, por não serem circuncidados, poderiam ser cristãos, foi ganha por Paulo no século I — ou seja, quase 2 mil anos atrás. Faz algum sentido retomar essa discussão hoje em dia, assumindo que há uns que podem partilhar os valores da cristandade (os circuncidados do século XXI) e outros, coitados, que não podem?


Tal como Maria de Fátima Bonifácio, não acredito que todas as culturas se equivalham. Acredito no progresso; acredito que há culturas superiores a outras; acredito que o multiculturalismo assolapado desembocou numa guetização nefasta em certos países ocidentais; acredito que a cultura que produziu os Direitos Universais é infinitamente superior ao wahhabismo ou às tradições ancestrais de mutilação genital feminina; e acredito que existe demasiada complacência em relação ao tratamento das mulheres nalgumas comunidades.
Só que pular da crítica a uma determinada cultura para a crítica de todos os indivíduos que a integram é um salto inaceitável, precisamente por ir contra os valores que Maria de Fátima Bonifácio quer defender. A razão é simples: não é possível acreditar numa matriz cultural que diz que podes ser salvo até ao último suspiro (Lucas 23, 39-43) e depois pregar que há grupos de gente condenada a ficar às portas da civilização que tanto consideras. Isso seria, mais uma vez, querer proteger a cristandade traindo os melhores valores que ela tem para nos oferecer.